Mensagens

O MUNDO DE PERNAS PARA O AR

Imagem
O MUNDO DE PERNAS PARA O AR
Quantidade enorme de gente sem relação entre si, e que procuram, pisando os mesmos espaços, o mesmo tempo.
Roupas penduradas, vasos partidos que espalham terra. Plantas tombadas viradas a sul. Baldes de plástico como latrinas.
Meninas sem idade e seminuas. Uma quase mulher, feições fugidias como se com vergonha própria, em permanentes caretas desajeitadas e seios espremidos e murchos.
Senhoras com costuras atrevidas e folhos marcados na bainha como partituras.
Homens fantasmagóricos, encalacrados numa imagem. Sabedores de tudo e de todos, como mágicos fantasiosos, revirando a cabeça no sentido contrario do corpo. Malabaristas da vida.
Vendedores de certezas ocas com roupagem de deuses ancestrais, debitam frases para um público gaseado. Um mundo paralelo e ilusório. A promessa de tudo, A recompensa no final do arco-íris.
Mulheres santificadas em frases rítmicas, entrecortadas por decibéis tenebrosos, cáusticos e violentos. Tão rude, que subitamente o ritmo…

QUE TE DIZEM OS OLHOS

Imagem
Que te dizem os olhos ? 
Olhares inquietos, verrugas de água no vidro da sala, espelhos sem reflexo.
Um casulo em contraluz. Os passos do inverno, cautelosamente chegando devagar
 Os pequenos ódios remoídos, como a sombra da mãe por perto, as pregações, o não querer saber, a Tia Henriqueta e o rímel três partes ao lado.
Os espartilhos fazem morrer tiras nos músculos abdominais, os cremes escorrem agarrados ao suor como cal de parede sem pintura.
O desprezo pelos óculos dele, A lente difusa com que o vê, as frases relampejantes em que te atiça, e a velha tia, uma velha tão azeda que até os casacos tigresa desmaiam aflitos nos ombros.
Veem-se gradações de luz, filtradas por latões de cobre, peças espalhadas, numa desarrumação aparente.
Silêncios remexidos por dentro, uma aceitação, a dádiva da vida num olhar.
Um olhar tão cheio de nada, um nada tão cheio de tudo e o medo que algo saia de dentro do tudo e o soterre.
Formigas na barriga, um inchaço no peito, a voz retida em impulsos c…

Deixa ficar assim…

Imagem
Dormes menos. Vês passar o tempo, quieto, sobranceiro, meticuloso.
Cartas ao pai natal. Um comboio elétrico para aquele, uma pista de carros para outro, a camisola de lã, o cachecol, o perfume. Uma interminável lista.
 E de repente no mesmo acordar todos na direção da missa do galo, três pais-nossos, duas ave-marias, a Ceia de Natal.
E o espelho na cómoda em frente, que te reflete. O que irá refletir daqui por uns tempos?
 Neste instante tudo é serenidade, O mundo parece ter parado, Nem um movimento. Contudo, se abrir o cortinado, reflexos no vidro do quarto.
 Até os murmúrios regressam, acompanhados pela minha avó espanhola. - “Hola como estas “ – e uma chávena de chá segura por dois dedos e o mindinho esticado.
O Avô impaciente, deslocava-se como se patinasse.
As “tias” que acompanham a avó, recostam-se em poltronas com crochet´s de um lado e a boca revirada (para assuntos da vida de cada um), para o outro.
Isso e as dentaduras que abanam em sons de castanholas num “salero” de Vigo…

A MEMÓRIA

Imagem
A memória aparece intermitente nos dias que correm solarengos.
A memória dos mortos é mais viva do que quando estava com eles.
“Amanhã telefono-te. Sim, já gravei o número. Não esqueças que temos de almoçar… este ano juntamo-nos todos antes do natal…”
As nossas conversas, encontros e reencontros ficam para depois. Nunca temos tempo, esquecemos rápido, e no entanto o tempo está aí.
Um dia temos tempo.
Sorrisos em câmara lenta, comboio no apeadeiro das sete. As figuras, as vossas e as minhas, o passado no presente. As palavras.
Aos poucos e poucos vão aparecendo as primeiras ilhas. Ponto a ponto. Perfil a perfil. Pequenos e imprecisos muros, delimitando jardins. Viramos, contrapomos edifícios, suspirando pelas imagens que se apresentam majestosas.
Uma longa avenida, dois a três candeeiros altos e largos, entre-cortados por outros pequenos e escondidos.
Igrejas e uma torre. Um monumento, mais uma capela e uma nave central cobrindo com feixes de luz restos de pintura nas paredes.
Gente que…

REFUGIADOS

Imagem
Qual o nome desse corpo a que chamas teu? Pagas uma viagem incerta num ritual de ondas que te levam. Até à sétima vaga num porto qualquer. Ficas num limbo, na sombra do corpo e a perda do brilho no olhar triste e despegado.
Trazes sonhos em rebentações e foges do infortúnio numa barcaça de mortalhas esculpida como cilindro. És o esqueleto de alguém que anda, esse corpo e alguém com ele. Algo que nem tu entendes, mas procuras. Foges de balas ziguezagueantes, morteiros de fome estampada no teu peito que enche os bolsos de muitos. Esse é o teu tronco, numa outra cabeça. Os teus braços noutro corpo. Lapidaste o desejo e esculpiste a lágrima furtiva enquanto os ponteiros desandam em sentido oposto e as marés invertem tenebrosas passagens do tempo. Será num mar grego ou Italiano, será em janelas repletas de fantasmas que vão soltando por aí.
Saem do corpo, deixando-os pendurados
Permanecem em silêncio no meio dos silêncios. Talvez também fantasmas silenciosos. Cegos na busca de um caminho, um…

SEI QUE ERA TARDE.

Imagem
Era tarde. Não sei se muito ou pouco. Sei que era tarde.
Navegamos os dois, solitáriamente entre a nau das descobertas e um pedaço de terra num sítio qualquer. Não interessa.
Caminhávamos sem sentido, acompanhados por uma ligeira brisa e as luzes que aos poucos se acendiam, bem como os sentidos que se despertavam entre os dois.  
Naquele instante pouco mais importava. Nem o perfume certo, nem a cor da camisa, o toque na pele, o sapato a condizer, a palavra certa, a madeixa que me atrapalha. Nada. Apenas e só, os dois e o instante.
A cidade estava diferente, as pessoas estavam diferentes, os autocarros acendiam as luzes, os semáforos desligados, corpos deambulavam pelos bares, ou éramos nós que a víamos diferente.
Falávamos sem nos ouvirmos, escrevemos sem nos lermos e guardamos no fundo de nós, em código de 3 dígitos, notas de aroma musical.
Tínhamos uma dança de palavras desacertadas, espaços sobrantes, e apenas um olhar intenso. Pouco mais do que um olhar. Mas era aquele olhar que nos escul…

O QUE ACONTECEU, SABES ?

Imagem
Tocam os sinos da Igreja no fim da rua, balançando acordes de chamamento. O vizinho com o seu aparelho de surdo espetava o nariz na direcção do vento.
Outro, galanteador, distribui acenos, enquanto ajeita o chapéu e encosta, com o franzir da testa, as sobrancelhas brancas. E era como se toda a neve do mundo tivesse ali poisado.
A mulher Espanhola, vestida de folhos e cetim, cabelo espetado para o céu, debitava sons das bochechas caídas, enquanto um dente assobiava, dando sinais de vida. Este e pouco mais, apareciam e desapareciam como teclas num piano de cauda.
 O sino continuava a sua melodia estridente enquanto a notícia percorria os caminhos.
- Foi do coração. Desequilibrou-se, coitado. 
O galanteador tinha um fato cerzido nas mangas e os colarinhos das camisas virados. Três botões no casaco assertoado, e uma gravata de riscas com um bonequinho no fim, pendurado.
 - Três voltas no ferrolho - gritava a espanhola-, enquanto o sapateiro, duas portas ao lado competia com o sino em batidas vigor…