TEMPO DO "NICO"



Andamos perdidos no balanço doce de problemas, lembranças e ilusões, próximas e distantes, mas sentimos pulso e respiração. Gravitam à nossa volta, novos e velhos, pessoas com glórias e memórias, sonhos, alegrias, desenganos, projectos e vontades, anseios, melancolias, dramas e mistérios, uns com muito outros sem nada. Não se sabe neste momento, onde começa cada um de nós e acaba cada um dos outros, dos que passam, indiferentes a tudo, sem vida, sem razões, onde nem a realidade cede lugar à fantasia.

Vejo crianças, repletas de sonhos e fantasias, de encanto e paixão. Um, o "Nico" procura de braços no ar atingir o tempo, o seu tempo. O "Nico" não tem pais. Tem doze irmãos, vive numa barraca, come do que arranja, veste do que lhe dão, e brinquedos, uma bola de trapos e carros de outros meninos. Arranja uns "dinheiros" conforme diz, dos extras que faz. Ajuda nas obras, limpa nos restaurantes, aparece na oficina so Sr. Alfredo e as "gorjas" vão servindo para o bolo da montra da pastelaria. Diz que não vai à escola, pois perde muitos "recados".

O "Nico" gosta de ser visto e que falem com ele. Tem expressão no corpo, brilho no olhar e até o ranho que teima em escorrer lhe dá um ar de rebelde gentil.

E tem desejos. Gostava de um emprego para o "Mangas", o mais velho, para ficarem melhor, pois o Sr. Manuel da mercearia, não deixa levar mais coisas p´ra casa.

O "Nico" quer estar em todo o lado. Do lado do sol, da chuva e do vento, da certeza e incerteza, da dúvida, do grito e da raiva, do pão e do doce, da vida, luta e revolta, da alegria e da esperança que é humilde e mora a seu lado, permanentemente.

É firme e determinado, sabe afagar a dor, o grito, choro e raiva, numa inquebrantável crença na Humanidade. Ele sabe que existe lealdade e solidariedade, - foi uma senhora que me disse outro dia, mas não me deu mais nada...

Ele sabe, que esta é uma época de sofrimento, de dor, de tempo, de um tempo em construção.

Vi, agora os seus olhos marejados e fundos, angustiados, perdidos, procurando uma razão, uma luz, um cheiro, um olhar, e um nunca mais acabar de emoções e sentimentos, ideias e diálogos, abrindo muito os olhitos negros, para um infinito, e um tempo, que o tempo não trás.

Este(s) "Nico(s)", têm rosto e voz. Têm coragem, condição e cidadania. Não podem ser mais figurantes e adereços de paisagem no teatro da vida.

Tem de haver tempo, tempo dos "Nico´s", e para os "Nico´s".

Tempo para que cada um tenha a sua vez.

A vez de ser feliz.

Comentários

Anónimo disse…
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

Mensagens populares deste blogue

DESORDENADA VIDA

OS ANJOS NÃO TÊM COSTAS...!

QUE TE DIZEM OS OLHOS