04 agosto, 2006



Quem parte, nunca leva saudades da partida, nem o sentir de quem sofre,
quem fica, tem saudades de quem parte,
com lágrimas nos olhos
e amarras,
porque sofre.
Quando a noite cair e fizer tua saudade maior, olha no céu a mais pequena estrela...
vais ver que ela tem um brilho mais forte.
Talvez seja o sorriso que alguém te dá para dizer que te ama.
Quem amamos só se ausentam por momentos, porque na verdade, estão sempre presentes no coração e sei que, em algum lugar bem mais bonito...
... e quando menos esperamos, eis que passa uma estrela cadente, que nos lembra... que eles lá, velam por nós, cá...


que saudades...

2 comentários:

Anónimo disse...

Gosto de partir. Por necessidade, por devoção por procura até. No entanto, sei que nunca parto absolutamente. Fica sempre uma amarra a mostrar-me o caminho de volta.

citadinokane disse...

Pedro,
O teu post me lembrou o que escreveu Antoine Saint-Exupéry no opúsculo "Pequeno Príncipe": "Quando olhares para o céu verás várias estrelas que dão guizos, em uma delas, lá estarei..."
Parabéns pelas poesias.
Um abraço,
Pedro Nelito