14 abril, 2007








Diz-me o porquê desta dor que não passa.
Não passa.
E o teu olhar está mesmo aqui à minha frente.
E choro enquanto te vejo olhar ternamente para mim, a sorrir.
E choro enquanto o meu corpo se desfaz numa súplica dolorosa que te possa devolver a felicidade de veres os teus netos e a todos nós, a felicidade que sinto que mereces.
E choro também enquanto me iludo conscientemente, querendo convencer-me que essa felicidade que desejo para ti, poderia ser egoistamente, toda ela, partilhada comigo,
E tudo está longe e distante e eu com esta idade escrevo para ti, pese o muito que conversamos nos últimos 10 anos.

Podem até dizer que estou louco, que me passei, mas eu sei, nós sabemos que este assunto entre nós está bem resolvido. Aliás só podia, de tão bem nos entendermos.
Mas faltaram algumas palavras, alguns momentos mais…

Mas falta sempre não é?

Sabes que não consigo fingir sentimento… e dizias-me …”que nem desaforo eu guardava”… ainda hoje é assim …
Fecho-me por norma na concha que me pertence há décadas quando preciso “estar” e ao fechar-me resolvo comigo estas questões.

Sei que nada, nunca vai apaziguar esta dor, esta tempestade que por vezes me destrói e arranha por dentro. Tenho frio e choro lágrimas quentes e sufoco e não aqueço, jamais, porque nos entendíamos num mesmo olhar.
Por vezes sinto que tudo parou e que o tempo não passa, e em todos os gestos que revejo, meus, dos outros, parece-me ver uma despedida… mas sei que jamais te despedirias de mim.

E tudo em qualquer instante me dói por não poder partilhar contigo, apesar de partilhar com tanta gente de quem tanto gostas. E sinto uma pequena e aguda dor por sentir tão perto a distância e tão longa a ausência
Porque sempre pensei que dói mais não sentir do que partilhar estes desabafos.
E quando preciso deles sei onde tranquilamente falo, e ouço-te sabiamente!



5 comentários:

DOC disse...

Se ser louco é sentir assim, também o quero ser e passada ficarei sempre que estas "PEGADAS NA AREIA" estiverem no meu pensamento e se a meus filhos não as souber transmitir.

Pegadas na areia
Uma noite eu tive um sonho.

Sonhei que estava andando na praia com o Senhor
e através do Céu, passavam cenas da minha vida.

Para cada cena que se passava, percebi que eram deixados
dois pares de pegadas na areia;
Um era meu e o outro do Senhor.

Quando a última cena da minha vida passou
Diante de nós, olhei para trás, para as pegadas
Na areia e notei que muitas vezes, no caminho da
Minha vida havia apenas um par de pegadas na areia.

Notei também, que isso aconteceu nos momentos
Mais difíceis e angustiosos do meu viver.

Isso entristeceu-me deveras, e perguntei
Então ao Senhor.
"- Senhor, Tu me disseste que, uma vez
que eu resolvi Te seguir, Tu andarias sempre
comigo, todo o caminho mas, notei que
durante as maiores atribulações do meu viver
havia na areia dos caminhos da vida,
apenas um par de pegadas. Não compreendo
porque nas horas que mais necessitava de Ti,
Tu me deixastes."

O Senhor me respondeu:
"- Meu precioso filho. Eu te amo e
jamais te deixaria nas horas da tua prova
e do teu sofrimento.
Quando vistes na areia, apenas um par
de pegadas, foi exactamente aí que EU,
nos braços...Te carreguei."

Vladimir disse...

de leitura simplesmente deliciosa e muito profundo...

syl disse...

As lágrimas que choras são de coragem. Coragem por levares para a frente sózinho o que saberia tão bem poder partilhar, ou apoiar. Admiro-te muito e acho que nunca terei a tua força.

tcl disse...

quando a ausência é irremediável a dor não passa. contentemo-nos com a doçura das memórias que nos chegam duma fotografia que nos olha emoldurada de cima da secretária, com a recordação das mãos que nos afagavam na nossa meninice, nos limpavam as lágrimas e o ranho, e aquele colo que nos acolhia para recebermos todo o conforto e toda a segurança do mundo.

PATIVIEGAS disse...

Chorei sim, chorei porque me senti tão proxima desses teus sentimentos que um dia ou demasiados dias faço deles meus. QUE SAUDADES!!Nesta fase tão bonita da minha vida sinto que poderia ter tudo mas falta tanto,a presença desses que tanto amamos e que tanta falta nos fazem não nos momentos tristes em que nos lembramos mas nestes momentos de alegria que gostariamos de os partilhar.QUE SAUDADES!! O olhar que tão bem descreves,a dor da perda e a saudade que é infinita mas a vida é assim, e aprender a viver todos os momentos como só um para nunca sentir tanta saudade do que poderiamos ter dito ou feito.

bjinhos da tua sobrinha