03 abril, 2007

Há ecos estranhos em mim.
Palavras, gritos, ruídos que não dou conta, mas andam por aqui.
Por vezes não sei o que significam, ou o que dizem todos esses ecos.
Confundem-me, entranham-se no cérebro, saltitam de neurónios, encavalitam-se num jogo traiçoeiro, dão voltas, sussurram ao ouvido e espalham-se pela pele e arrepia-me só de o sentir.

Sinto-me como que num abismo, que cruelmente não me deixa ver o fundo e por isso não adivinho o instante da queda.


E tenho medo!

Engraçada esta sensação de medo, que raio!

E sinto que o eco que me chega provém de ti.
Gritos de revolta, angustia e anseio, gritos de medo também?
Sinto que o tempo escoa apenas num sentido e não volta, pelo menos para mim.

E luto e faço, procuro, desfaço, atónito com a desfaçatez desta vida injusta e repleta de ecos como os que habitam em mim.

Procuro conhecer-te abrindo em veias pesquisando o sangue que corre em ti.
Mas tenho o teu sorriso cândido na cara do tempo e em mim, e sinto que posso morrer na tua boca, uma boca de desejo, que me deixa embriagar pela liquidez dos dias e das noites que se sucedem sem sentido.


E os ecos de novo que me abanam por dentro e me rompem estrutura já pouco alicerçada.
E apanho-me tantas vezes tão distante, tão longe que me chego a imaginar não existir porque o tempo já não tem espaço para mim.

Engraçada esta sensação de nunca ser, como se sedado de sono pudesse seduzir o destino
Afinal o tempo não desaparece, a memória é que tende a apagar, porque é ele
-o tempo- que insistirá sempre em trazer-nos de volta.

3 comentários:

Doc disse...

Sonhos e emoções... apetece-me em forma de resposta este poema...

Mi táctica es
mirarte
aprender como sos
quererte como sos...
...
Mi estrategia es
que un día cualquiera
no sé cómo ni sé
con qué pretexto
por fin me necesites.

Mario Benedetti

Ylvi disse...

Palavras que nos tocam. Escrita repleta de sensibilidade. Gostei muito. Vou voltar.

PATIVIEGAS disse...

Muita verdade transmitida em poucas mas concisas palavras.
conseguiste tocar-nos em todos os pontos e medos que queremos desde sempre esconder!
adorei...