06 maio, 2007












Maltrapilho e abjecto vilão.
Compulsivamente chato, rebuscado interesseiro e cinicamente falso.
Usa capa e espada mas não nos defende, ataca pelos flancos e não dá o flanco.
Pior que muitos vilões da história, não teme nada nem ninguém.
Não guarda respeito, não respeita regras e apetece-me desafiá-lo numa luta em tudo desigual.
Parece ter vida eterna.
A espada não mata nem magoa, e deve usar poção mágica tamanha a sua capacidade de resistência.
Olha-me nos olhos e diz: - “ Apenas faço o que tem de ser feito…”
Inquietante.
Corro imenso mas chego sempre atrasado, não me sobra espaço nem tempo.
Procuro esticá-lo mas sou imediatamente derrubado.
Indomável para qualquer um, mesmo os que vivem 36 em 24.
Grande safado que me martiriza e apoquenta e consome toda a energia que me resta.
Ri sobre e para mim, digere bem as ameaças, enfrenta muitos de uma só vez, trata o medo por tu e olha em frente para os desafios.
Tem olhos de quem vive do frio e revela profundidade sem limites.
Tento conhecê-lo melhor, mas nunca chego a tempo.
Vivo a destempo.
Não perdoa e não magoa.
Também porque não sou homem de desistir, vou pelo menos tentando “dar luta”, mas apercebo-me que a vitória já se tornou mito urbano.
Corro com ele e contra ele, numa luta sem limites.
Não me dá tréguas e encosta-me muitas vezes às cordas… arrasando com o pouco que me resta…!
Vilão e inimigo,
a falta de tempo…
deste tempo que não estica…!

2 comentários:

tcl disse...

Pois é caro Pedro.
O tempo não pára para ninguém, não nos dá tréguas.
Por isso mesmo não se pode (ou não se deve) perder nem um minuto com zangas, com rancores, com mágoas, com tristezas.
Seize the day!

sara viegas disse...

Tio, Adorei...
Gostaria de ter a mesma facilidade para a escrita, mas talvez com o TEMPO conseguirei, sabe-se lá... Aprendendo e pensando naquilo que escreves e com o que o TEMPO me vai ensinando, sem presas…devagar, saboreando cada minuto.
Bjks, da Tita