As palavras perdem-se, algumas nem se dão por achadas, os gestos tocam e encontram-nos.

As palavras atiram-se, mordem, cantam-se e ferem, os gestos apoderam-se, enlaçam remexem-nos e soltam-se.

As palavras esfumam-se, os gestos entranham-se, mas ambas vivem em nós.

As palavras amordaçam, descontrolam, desorientam, um gesto afaga, aquece, prende, recicla e orienta.

Quando as palavras são poucas ou indefinidas, e o gesto se esquece, a imaginação faz o resto!

Comentários

Anónimo disse…
Eu ainda acredito que um gesto vale mais que mil palavras...
tcl disse…
Entre palavras e gestos, prefiro os gestos.

Da imaginação, é melhor nem falar.
lamia disse…
É quase sempre verdade que o silêncio é necessário e os gestos imprescindíveis.
Anónimo disse…
No meu ponto de vista o gesto e as palavras têm de dar as mãos, pois complementam-se. Existem gestos que necessitam de palavras como palavras em que são indispensáveis os gestos.

csm

Mensagens populares deste blogue

DESORDENADA VIDA

OS ANJOS NÃO TÊM COSTAS...!

QUE TE DIZEM OS OLHOS