10 setembro, 2007











Sei do doce da tua pele e do sal no mar, do frio nas montanhas e do aperto no coração sempre que te vejo.

Conheço de cor o teu riso e a forma como o usas para me fazer vibrar.
Conheço de cor a tua boca e a forma como a usas para te ouvir sussurrar.

Percorres os meus com os teus dedos e instalas sons na minha alma.
Entrelaças os teus nos meus dedos e dizes que sim sem eu ter perguntado nada.

Falas e fazes música com o teu olhar no meu fazendo a vida num concerto.
Não questionas a minha sanidade mental quando te abraço e beijo, o que agradeço.

Olho-te e vejo-te como aos 14 instalando melodias numa ária de Bach.
Solto palavras esvoaçantes como alma sem destino certo e um bando de pássaros que ruma ao sul deixando a promessa de voltar na Primavera.

A jornada começa no primeiro degrau da porta pequena, libertando-nos de prisões das quais dificilmente saímos, amarras que trazemos ancoradas a nós.

Deixamos enrodilhar afectos enquanto o mundo corre ao nosso lado, despertos numa realidade alheia

Quero ter-te num amanhã despido de sombras num nevoeiro de carícias doces e sou feliz porque me roubas um sorriso
quando pretendo soltar uma lágrima.

3 comentários:

Anónimo disse...

Nada na vida é mais importante do que um afecto, um sorriso, uma caricia, uma ternura. E se tudo isto fôr dado de forma sentida, espontanea ganha uma dimensão tal que só nos poderá enriquecer o espirito. Todos estes gestos terão sempre o retorno se a quem o damos tiver o espirito enriquecido. Está lindo. Obrigada. csm

olhos grandes disse...

gostei disto aqui: "sou feliz porque me roubas um sorriso
quando pretendo soltar uma lágrima."

concerto4maos disse...

...Falas e fazes música com o teu olhar no meu fazendo a vida num concerto..
Solto palavras esvoaçantes como alma sem destino certo...
...e sou feliz porque me roubas um sorriso
quando pretendo soltar uma lágrima.