11 dezembro, 2007











Toco a tua boca.

Levemente, suavemente com os dedos sentindo todo o contorno dos lábios, vou desenhando essa boca como se pintasse um quadro em pinceladas suaves.

Levemente, suavemente, repouso o meu nariz no teu e percorro as fragrâncias suaves do teu beijo ao chegar os meus nos teus.

Unimos os lábios, a pessoa, a fragrância colorida que emanas de ti como se tivéssemos a boca cheia de flores perfumadas em movimentos vivos.

E se nos perdermos em aromas lancinantes, perdemo-nos os dois.

Se nos mordemos, a dor é doce; e se nos afogarmos num breve e terrível absorver de fôlego, essa instantânea morte é eloquente e bela.

E toco e retoco a tua boca, com um cerimonial de palavras incertas em momentos incertos de pessoas inseguras

E procuro e encontro e vejo e revejo e repito num interminável Bolero, que partilhamos numa conjugada cumplicidade.

Toco a tua boca como me tocas a mim em lances suaves de toques ritmados numa doce e terna loucura.

2 comentários:

olhos grandes disse...

Belo video, bela música, belo beijo.
:-)

Charlotte disse...

Momento perfeito. O do texto abaixo, saboreado no embalo da música de cima. Gostei. E vou voltar.