04 maio, 2008

















Sento-me em lugares vazios e isolados, ausente do mundo.

Entristeço em prolongadas mágoas, revoltas interiores que não posso delegar.

-…” olhe faz favor, … psst,,,pssst… importa-se de ficar aqui com esta mágoa e esta revolta, que vou ali e já venho?”…

Ultrapassei o prazo de validade na paciência.

Não assimilo letras mortas, já só vejo cores e versos rimados. Gosto de abraçar lágrimas e apertar sorrisos contra o peito.

E este sou eu, ausente de mim, a verter letras em cadernos sem pauta em partituras de música escondida.

Eu que, eternamente espero. E que na espera, padecendo, empalideço num tempo longo sem regresso.

E suspiro, definindo contornos dos olhos que me lêem na alma e sugam o sangue na carótida direita após o abraço leve no pescoço.

E vais nutrida de mim, em corpo e alma, que não coração.

Inventas eufemismos e gestos, matando-me nas lâminas dos dias que correm, queimando-me na fogueira dos medos.
Já estou cansado de lutas e os sulcos na pele como que esculpido na madeira do tempo, casca envelhecida.

Fico ausente do mundo e de mim, absorto em pinturas que memorizo e leituras que defino prioritárias.

Do sangue que me tiraste em transfusões sucessivas, enquanto brincavas de “Sherazade” em seduções de mil noites de mil anos e da tua mão ancorada na minha enquanto desfalecia, para retornar breve.

E olho a vida de perto, ansiando que o teu olhar encoste na minha alma, num curto-circuito sintonizado.

-…” faz favor, … psst,,,pssst… importa-se de ficar aqui com a mágoa que volto já??”…

3 comentários:

Paula disse...

Convém não entregarmos a nossa mágoa a ninguém. Temos é que aprender a ultrapassá-la aceitando-a serenamente com um sorriso! Mal damos por nós, eis que a mágoa voou para longe! E a vida continua a ser bela!!

Paula disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
ariana luna disse...

Se a pudéssemos entregar a nossa mágoa dificilmente cresceríamos.
Saber sofrer, aceitar e olhar mais longe (num tempo e num espaço que nos merece) faz parte desse crescimento.

A tua mágoa (se existir ou quando existir) vais saber sossegá-la.