22 dezembro, 2008







Queria resistir, mas fazias-me perder o norte.
Esforçava-me, juro que me esforçava mas paralisava, incerto modo de reagir perante futuro sem vislumbre.

Era noite fria de solidão, um espaço ténue entre ele e a razão.
Tentava em esforço balbuciar palavra, fruto do desejo e sentimento, que fizesse voltar atrás, aos seus braços.

Ainda me percorre a alma e agita o coração em constantes atropelos e labaredas incessantes.
Flutua alegre, não me sai do corpo, beija-me a pele.

Atiça-me como vulcão e esbanja memórias perdidas em mim.
Despe-me com intensidade, cruza-me o olhar e enrola-se entre os dedos.

Fragância suave, envolvente, caprichoso, doce.

Derrama sonetos com canela e suavidade de toque, este
... perfume que me invade.

5 comentários:

Anónimo disse...

E porquê resistir?!...as coisas boas da vida são para se abraçar com paixão!!!

Beijinho

Alda disse...

Zé,
Votos de um Natal feliz para ti e toda a família.
Um beijinho

antonia disse...

JP
Um abraço do tamanho do mundo neste ano novo que se aproxima. Desejo que vc escreva os mais belos post em 2009 para enfeitar a vida de todos nós.

Mad disse...

Boas festas para ti, um bocadinho atrasadas...

Bj.

Anónimo disse...

Estava um vento frio e gélido, mas essa fragrância suave, envolvente e doce,abraçou-o, acalmou-o e esse vento logo se transformou em Verão.