29 janeiro, 2009

Espirito do Selo



A Sofia http://osdesabafosdasofia.blogspot.com/, foi uma querida e brindou-me com este selo.

Aqui a Amy até que está sóbria...! ou não...!

O espirito da coisa é, que este selo representa todo espaço que de uma forma ou outra traduz um pouco das loucuras de seus/suas escritores/as. Esse espaço que temos pra mostrar ao mundo, os nossos momentos de loucura, curiosidades, entretenimento, desabafos...

Tem que se escolher 11 blogs. E avisar nos respectivos blogs.Ora bem aqui vão as minhas escolhas:

http://olhaquerealmente.blogspot.com/

http://thepassarocaknowsbest.blogspot.com/

http://blackandwhitereality.blogspot.com/

http://mi-vida-es-una-fiesta.blogspot.com/

http://ervilhasalbinas.blogspot.com/

http://aidiabo.blogspot.com

http://falabarata.blogspot.com/

http://viveroutravez.blogspot.com/

http://agemeaquefaltava.blogspot.com/

http://falamosdepoissff.blogspot.com/

http://juro-que-tenho-mais-que-fazer.blogspot.com/

27 janeiro, 2009















Talvez queiras conversar ou saber que tempo vai fazer-me por dentro.

Sobre o temporal que nos tem desabado corpo e alma. Chuva miudinha que nos atrapalha o olhar e arrefece o coração.

Já não temos tempo como o tempo que havia.
Já não desfolhamos olhares nem desbotamos coloridos em roupa branca salgada de nós.

Não sei o que dizer e até estou com medo de devorar o saco dos sonhos de uma só vez.
Tenho raízes que há muito não se iluminam, e vivo neste "lusco-fusco" entediante como esta chuva que me ofende as entranhas.

Precisava de uma boca que me segredasse coisas que preciso de ouvir. Que me afastasse este pensamento do tempo enevoado e cinzento, que não me deixa espairecer, e libertar amarras, como barcos ancorados no Douro.

Preciso dessa audácia que me incita numa coragem definitiva.

Para te ter perto da boca e perto de mim.
Como pensamentos enrolados no principio e descarados triunfantes no fim.

Como a Lua que afasta as sombras e nos desperta um novo dia.
Como mãos que acariciam os sentidos e noites que findam num arremesso de corpos.

Talvez queiras conversar ou saber que tempo vai fazer-me por dentro.

21 janeiro, 2009










Vamos envelhecendo todos... não só tu e eu.
Das calças à “boca de sino” e cabelos compridos aos brincos e piercing´s e sentimentos tatuados.
Já não fazemos brincadeiras de perfeição, mas prosas de versos irregulares.
Cinzento está o tempo e estes 70 que já pesam…. 35 em cada perna digo eu....

Nunca estamos fartos nem cansados um do outro. Amparamos as maleitas depois de anos amparados num amor sereno mas completo.
Estamos os dois no café entre o galão e a meia-torrada. Os filhos e netos têm os seus ritmos e nós cristalizamos no nosso.

Olho-te embevecido pelo canto do olho e relembro como foste, serena, Princesa de encantos num mar por vezes revolto.
Também como o mar havemos de naufragar numa qualquer ondulação num dia qualquer em qualquer hora, ou quando o destino aprouver.

Estamos os dois no café, sentados, sem que as palavras saiam.
E eu olho por ti, no silêncio da noite, para que não fujas no encalço da luz, onde as palavras e o som das aves te inebriam.

Aprendi a curar as nossas dores e a preencher o vazio que nos resta.
Tamborilas monocórdicos os dedos no tampo da mesa enquanto olhas um espaço sem fim.

Pousas o livro que sempre te acompanha, e colocas os óculos a preceito sorrindo na minha direcção com um gesto brando e ternurento.
Indicas um pedacinho de pão perdido no canto da minha boca e sinto-te num amor de mil anos por mais mil de encantos e gestos de primavera.

Sorrimos ambos num adormecimento de memórias que catapultavam saltos frenéticos de final de tarde cinquenta anos atrás.

Somos velhos e ainda sabemos fazer brincadeiras na perfeição.

18 janeiro, 2009

PRÉMIO DARDOS

Recebi o PRÉMIO DARDOS da Paula http://paula-esperar.blogspot.com, a quem agradeço sensibilizado a distinção.

Com o Prémio Dardos reconhecem-se os valores que cada blogger, emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc., que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras.
Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os bloggers, uma forma de demonstrar carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web”.
Este Prémio obedece a algumas regras:
1) Exibir a imagem do selo;
2) Linkar o blog pelo qual se recebeu a indicação;
3) Escolher outros blogs a quem entregar o Prémio Dardos.
Assim sendo, transmito o Prémio Dardos para os blogs abaixo, pelo valor que lhes reconheço:

16 janeiro, 2009

Obrigado!


Agradeço a distinção e a amizade demonstrados pela Alda e amigas, no "A Amizade é assim..."
A intenção primeira, foi de vos divulgar e criar uma corrente solidária e de apoio, na Vossa/nossa luta.
Tenho por convicção que se todos formos um bocadinho mais solidários, contribuimos para um amanhã melhor e tornamo-nos simultaneamente melhor pessoas.
Juntinho ao coração. Obg
JP















Tem havido chuvas e frio que se reflectem nas nossas angústias e ansiedades.
Coisa pouca dirias tu.
No entanto foi por isso que te resguardei neste canto, onde vimos as aves fugirem na sua migração periódica.
E foi num vórtice de ternura que restituímos os prazeres da madrugada.
A música que nos embalava como recompensa tardia, enquanto o desejo corria pelos teus lábios como nuvens quentes de algodão.

Era esse o nosso manto de memória. Nuvens.

Como se não houvesse amanhã, nem a esperança raiasse num sol dengoso espraiado.
E era no voo das aves migratórias, nesse bater de asas como abraços que nos perdíamos em irresistíveis impulsos madrigais.
Demorávamos o tempo da redenção, até germinar um sorriso pela enésima vez.
Desvendamos segredos guardados num mundo só nosso e despojados do tempo, ficamos despidos de ternura, dançando e rodopiando por entre e sobre nós.

Foi deste Inverno que nos fizemos cor e alegria, descalços em nuvens de algodão doce que afagávamos como nossa, ouvindo bátegas de chuva - que se ria lá fora - enquanto deitados, passeávamos o silêncio pelas mãos.

12 janeiro, 2009

DANÇAR AOS PÉS DA LUA













Abriu as gavetas e foi despejando, passados…. emoções….. espaços no tempo que o tempo não conseguia apagar.
Ainda esperava um retrocesso na vida. A angustia de saber que ficava só. Que não o teria por perto.

Perdia-se faz anos naqueles instantes de abrir e fechar gavetas, no arrumar e desarrumar, como se pudesse ainda endireitar alguma coisa… trazer alguém de volta… trazer-se a si à vida.
A casa é enorme, três quartos, duas salas … sorvo cada frase como cada lembrança, cada ritual como um agendamento.

Abre a vitrina e retira as caixinhas, objectos que não amarelecem, uma caneta, um fio, um documento, fotografias, filmes.

Relembrava os filmes que fez e não publicou, os que publicou e não fez, os que viveu e outros que gostava de ter vivido.

Bilhetes deixados ao acaso de uma lembrança, de uma mão que os arrumasse.
Frases escritas sem luz em noites romanceadas de gestos partilhados e aromas de amor espalhados pelos quatro cantos do quarto.

Quanto mais rebuscava, mais recordava pedaços de sol apanhados em curvas da vida
adornando a face em momentos de ternura caprichosamente colhidos como frutos maduros.

Uma dança única… apenas uma dança. Um volteio, três passos, a tua mão no meu vestido e eu que definho a teus pés.
Desnudo-me para ti e enlevo palavras açucaradas num rodopio a três quartos com um toque subtil de anca para ti e de peito para mim.

Seremos espectadores de um céu azul atapetado de carmim, enquanto pérolas escorrem na tua face como pingos de um suor perfumado.

Consigo pensar-te e ter-te e conduzir-te pela minha mão, enquanto te salgo a pele e te devoro nesta noite em que me sinto só, após o regresso do baile da lua.

Estou provavelmente ébria, inquieta, mas recuso-me a abrir gavetas e vitrinas e a amarelecer como os bilhetes que me deixaste ou a ficar em pó como o tempo em que nos perdemos.

Sou mais do que isso… e do que isso muito mais, saberei voltar à vida e esconjurar almas perdidas que me assolam o pensamento.

Terei ritmo musical e viajarei meio descalça na ilusão de um novo crepúsculo, arremessando para longe a solidão que me atormenta os dias e arrefece a alma.


Possível morrer de saudade?
Prefiro perder o norte, açucarando a solidão dos monólogos já esquecidos,
libertando-me da masmorra e dançar aos pés da lua.

04 janeiro, 2009




Elas são a vontade de viver,http://www.cinda1960.blogspot.com/ em paraísos sonhados, vivem outra vez, http://viveroutravez.blogspot.com ,são carecas mas loiras http://careca-loira.blogspot.com/ querem uma nova vida, http://umanovavida.blogs.sapo.pt/

Têm um objectivo de partilha e encanto no desencanto que a vida lhes pregou.
Não esmorecem, caiem e levantam-se.
Erguem-se umas agarradas às outras com a força dos poderosos, acreditam que podem vencer, http://aida-guimaraes.blogspot.com/, e vivem para vencer, http://superglamorosas.blogspot.com/ quando riem, são “quimios gigi” http://quimio-gigi.blogspot.com/ e espantam-se umas às outras com as diabruras que fazem, como grãozinhos de areia http://graozinhosdeareia.blogspot.com/

Sabemos, nós e elas que a solidariedade não repõe células mortas, mas sabemos todos que o aconchego, o positivismo e a grande vontade de vencer são tampões e barreiras ao avanço da doença.

São ramos de uma árvore, bonita e frondosa, que se vai enchendo de folhas e flores coloridas, transformando este espaço sideral num radiante jardim, recheado de histórias bonitas, de vontades, de esperança, de tenacidade e de grande humanismo.

Façam por viver a vida com sorrisos, sorrisos deslumbrantes, apertos fortes de mãos, abraços mesmo desengonçados, lençóis desalinhados, cabelos soltos ou de lenço colocado, amores aos pedaços ou com pedaços de amor, de peito encostado, de pele, de lágrimas e sorrisos, de cantorias mil, beijos aos molhos… mas façam.

Ao percorrer caminhos de vida, leituras de livros e jornais, revistas e blogues, encontro formas cruzadas de enfrentar as guerras, as lutas, os engulhos, as adversidades, mas nestas pessoas, nestas lutadoras (e como estas muitas e muitos mais), vejo palavras de esperança, de reerguer quem cai, de apoiar quem precisa, de estimulo para continuar uma vida tantas vezes dilacerada, e onde a palavra SOLIDARIEDADE faz realmente todo o sentido.

Ao ler-vos, aprendo a ser melhor, mais humano, mais profundo, mais capaz, melhor pessoa.
Os vossos ensinamentos, a vossa alegria, os vossos sonhos, são a esperança de um amanhã melhor para vós, mas também para todos nós. São autênticas revoluções de alma.
http://revolucaodaalma.blogs.sapo.pt/

Como a Alda diz, e eu acredito que sim, tudo na vida tem uma razão de ser, ou por destino, ou imposta por Deus ou por um Deus, ou pelos Homens nos seus caminhos traçados, ou porque apenas sim (quando nos é difícil explicar alguma coisa).

Ah… e ... “Toma! Incha, Porco”… como diz a Nela..
http://maisumbocadinho.blogspot.com/

Este jogo é mesmo para VENCER