17 fevereiro, 2009

Do espaço onde as aves fugiram










No entanto és tu que eu quero guardar neste canto onde as aves fugiram, quando pela noite germina um sorriso numa dança única.
E chega o Outono onde se apaga a cor e desaparece o reflexo.

Onde quase se comem as nuvens como algodão doce e cheira a café acabado de fazer, tal como a sopa da minha avó, quase mais couve do que água.

Sigo os trilhos das minhas rugas, e demoro-me o bastante pelas lembranças que me inebriam fantasias de um corpo no mar.

Deixo-te o silêncio da minha mão em forma de carícia. Deixo-te a compota de mel com o pão caseiro entre os favos da imaginação.

E escrevo rascunhos sem sentido para que me procures enquanto lês, enquanto te guardo espaço neste canto onde as aves fugiram.

E enquanto escrevo faço-me outro e outro, todos os dias.
Visto-me novas peles, novas roupagens conflituando por dentro de mim como se uma passagem para outro “eu”.
Nada se faz sem uma ponta de loucura, eu sei.

E gosto de me ir lendo e reconhecendo aqui e ali outra personagem.
E outros mais virão.
Dói este soltar de alma. Apodera-se de mim com um antagonismo exacerbado. O alegre e divertido entra no cinzento da escrita com tristeza e romantismo na ponta de filtro.

Vivo uma permanente corrida entre a partida e a chegada, seguro por pontas e dedos de fantasmas que ora me empurram ou retêm.
E leio e releio como se me visse num espelho de reflexos matinais, fragmentos de histórias casuais, e germinações de sorrisos.

E a chuva que espalha gotículas festejando o baile da lua, enquanto a noite se espraia sedutora, afinando a voz.

Ilegível dança de emoções neste incerto nome do frio que me aperta os ossos, e tu metáfora pintada por mim entre pinceladas firmes e dolorosas com mil cores por inventar.
Pinto-te quente como fogo espesso em contradições de texturas mais-que-perfeitas.

E é a ti que guardo neste canto onde as aves fugiram, nesta fronteira de emoções que derrubo com um sorriso das tuas pinceladas em mim.

3 comentários:

Anónimo disse...

Belas pinceladas fazes tu com estes textos...
Este está lindo demais!!!
Beijinho

Cocas

XS disse...

Mais uma vez, fantástico.

João e Joana disse...

Por que será que as aves fugiram?...