PINTADO POR TI





Inventa-me e reinventa-me num pedaço de papel.
Escrevinha e esboça caricaturas de mim adornadas por um pincel ou a tinta-da-china.
Pinta-me com língua amordaçada, um olho fechado e orelhas semi-curvas.

Reinventa-me então, numa imensa liberdade de braços embalados e pernas imóveis como estátua grega inacabada.

Evita-me a curva do pescoço e o canto da boca, onde todo o cuidado é pouco.
Enlaça-me o coração, mas não me toques no cérebro.
Reinventa-me com pincéis molhados em tintas coloridas, guache ou carvão.

Não me “emoldures” alma nem faças beijos sobrepostos.
Faz-me nuvem ou pinta-me a preceito com toques de seda, ar fresco de chuva e pés na terra.

Pinta-me numa dança única com enlevo açucarado de palavras e água tépida que se espraia a teus pés.

Reinventa-me no silêncio desnudado por ti, enquanto imagino o bailar da lua em quarto minguante.

Comentários

Vera disse…
Eu sei que me vou repetir, mas adorei!
tcl disse…
gosto quando te reinventas :-)

Mensagens populares deste blogue

Deixa ficar assim…

DESEJOS E DEMÓNIOS

EXISTISTE ANTES DE EXISTIR