21 junho, 2009

O QUE É ACABAR?






Vive num T1 com uma enorme varanda.
Sozinho com um fogão, frigorifico e um pombo que lhe traz noticias do mundo.

O silêncio que não consegue deixar para trás. Um sorriso que não consegue descolar.
Sonhos que não quer perder.

Um relógio que só ele sabe que existe, um perfume leve e fresco como a espuma de um banho.
Um aceno, despedida. Um adeus, de partida.

Qual o nome desse corpo a que chamas teu? Porque atribuímos nomes quando nem nos conseguimos decifrar por inteiro?

Ficas num limbo e aguentas até à sétima vaga de uma onda que te leve.

O teu tronco, outra cabeça. Os teus abraços, outro corpo.
A vida toda dentro do relógio que só ele sabe onde está.

A sombra do corpo que só eu conheço e o brilho dessa luz nos olhos, intensos, pouco para o tamanho da saudade que adivinhas.

Cilindro com a verdade os morteiros disparados por couraçados de algibeira, quando te injectam morfina nas veias esquálidas e corroídas.

Perdeste tempo de mais, num tempo que tem sempre de menos.

Fazes intervalos entre palavras como os dentes que te faltam na trincheira perdida entre idades que já nem contam – dizes tu.

Vagueia o pombo num arrulhar cúmplice de memórias, gestos e sonhos feitos a dois.
O momento da cumplicidade invertida, o momento das palavras quietas na solidão dos afectos entre diferentes, como se cada momento fosse apenas o fim do intervalo.

Lapidaste o desejo e esculpiste a lágrima furtiva enquanto os ponteiros desandam em sentido oposto e as marés invertem tenebrosas passagens do tempo.

Já tens acordeão no lugar do piano, sol sem nuvem e esperança no espaço entre o fogão e o frigorifico num T1 de janelas viradas a norte.

A tua mão escreve no papel que imite sons que não são os teus, e vozes que escutas por dentro de nós. A vida toda num relance, como se fosse acabar.

O que é acabar ?

5 comentários:

Lídia Borges disse...

Os seus textos têm a capacidade rara de nos fazer entrar e passear neles como se fossem a nossa casa.
Não sei dizer-lhe o que é acabar, mas sei que há sempre um recomeçar

L.B.

T disse...

adoro o ritmo destes teus textos, a sua complexidade tão metaforica.palavras sentidas e com sentido.
bjs

cocas disse...

"Acabar" também tem um lado positivo e é uma palavra boa, quando o que acaba é mau. Permite reunir os sonhos e dar-lhes a oportunidade de se realizarem enquanto ainda é tempo.

beijinho

Chris disse...

Não sei o que é acabar, talvez o fim seja um eterno recomeço, entre momentos e cumplicidade invertidas...
Boa Semana,
Chris

Delirius disse...

Acabar...?!
Quantas vezes acabamos... para depois renascermos..., até reacabarmos num depois próximo ou longinquo...
Outras vezes..., bom, não sei..., últimamente oiço muito dizer, que não acabamos nunca..., voltamos sempre, uma e outra vez. Será?!
Prendes-nos`aos teus textos, sabias? Vou seguir-te. deixas?!
Bj.