Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2010

Quero ser a tua ultima paragem

Michael Bublé –





Sigo-te por estradas velhas, rodopios de muros debruados a musgo e saltito pedra a pedra.


Devoramos sem contemplação a vida num segundo numa volatilidade de num outro segundo estarmos fora da vida.

Tenho a noite, companheira inexpressiva, que me enaltece coordenadas de afectos pouco nebulosos, segreda-me murmúrios ao ouvido e é neste inverno febril e soturno que raramente me olhas e nunca me rateias.

Gosto mesmo assim da escuridão, da tua entrega e do abandono a que me votas. E prefiro fechar-me em concha do que espalhar o meu ser na desumana dimensão deste mundo.

E nesta saudade de ti, sou exactamente o que sou. Um mar com noites dentro. Os meus olhos contigo dentro.

Gosto da tua nudez ao luar, dos teus gritos mansinhos, do repenicar dos sinos na Torre dos Clérigos, de quando os troncos cedem nas árvores robustas, de quando os nossos olhos quase chegam, das nossas mãos que quase se tocam.

E gosto quando sei que lês os meus escritos como mapas profundos da alma.

Ou…

Medos e palhacites

Sara Tavares - Ponto de Luz
Quando criança tinha medo… medos vários.


Foi a época dos papões, das trovoadas, do “Homem-do-saco”, e das sombras, que significavam gatunos ou almas de outro mundo.

As bruxas não povoavam esses tempos, sabe-se lá, se por falta de vassoura, ou de olhos de morcego.

Mas por vezes juntavam-se “à festa” umas fadas e duendes com varinhas mágicas, que faziam estacionar na minha garagem, os melhores e mais belos carros, e as loiraças espampanantes acocoradas nas jantes dos bólides... (sem abóbora, claro).

Embrulhava-me em lençóis e deixava uma luz de presença acesa e não dormia enquanto não verificava se a clarabóia estava fechada e se nenhuma sombra estava para me incomodar.

Fechava a porta do quarto e ficava com um olho aberto fora dos lençóis a verificar se através das frinchas alguma aranha penetrava, ou se pela fechadura entrava o Gigante.

Lia Patinhas e Asterix e fixava-me na aldeia dos Gauleses e na poção mágica que sabia um dia me iria salvar...

Surgiram …

De regresso às estrelas...!

Coldplay - I'm goin' back to the start

Olhei de cima a inquietude dos tempos.
Desabitado em mim, minuciosamente localizo os demais.

Interrogo-me se ainda é a essência do que senti. A tua voz que mudava se não me chegavam palavras e os meus olhos que cegavam se não te via nos meus.

Os teus quadros pintados a contraluz e a minha silhueta que adivinhavas como a memória de um cheiro.
Guardo os segredos por ti desvendados enquanto uma ave debica pão num beirado.

Gostava de me transformar de novo em humano, ter cãibras quando te marco posição, a sede que mato com beijos molhados e disseco Fernando Pessoa num heterónimo estranho.

Hoje o espaço em nós não é mais matéria, nem deslumbre, nem sonho ou sensação, já não me negas noites nem me despes a pele nem te afastas triunfante.

Mas há um espaço solto no tempo, para devorarmos sorvete de morango e chocolate preto e trocarmos dedos de arrepio em afagos sedosos, enquanto os teus lábios se inquietam nos meus e me chega à memória o sedoso…

Ave migratória

Robbie Williams - She´s the one

Por vezes delicada, outras vezes àspera, voavas em circulos, dissecando a minha artéria femoral.


Amor nos braços de um táxi, nas profundezas das piscinas, pontões de praias interditas, areias escaldantes de mares entrecortados com rochas de esperança, salas de cinema de fim de tarde, sofrimentos como lugar comum e par na sorte.

Uma lua que espreita como alcoviteira privativa e eles escondidos na pele fingindo apagar estrelas naquele jeito-sem-jeito de namorados inquietos.

Tentaram o pote de ouro na cauda do arco-íris e em cada cor um beijo...em cada beijo uma cor.

Estavam pelos vinte e viviam no limbo dos paraísos ocasionais numa urgência de felicidade que os salpicava.
Andavam ao arrepio dos humores numa cidade com luz, embriagada em tinto carrascão e castanha assada em cones de jornal amarelecido.

E os meus ciúmes de meio metro por metro quadrado por tudo o que era espaço, ciúmes de tudo o que rodeia mesmo nas voltas matemáticas e posturas fisico-qu…