15 junho, 2011

FESTAS POPULARES

Cantam pobres, ricos, remediados, salta a fogueira e a sardinha,
vestes engalanadas, pregões de boca em boca,
respinga alto a varina.

Cerveja a rodos, copos de tinto vadio, proxenetas afivelados com roupa multicolor,
- Ó filha estás bem prendada
- É para ti, meu amor…!

Fadistas em dó menor, mulheres fáceis da vida, paixonetas titubeantes,
aqui se abraçam amantes.

Rodopiam na avenida em marchas triunfantes,
velhas ensinam rezas, fazem tranças,
E da Mouraria a Alfama, e do lado do Bugio,
há gente que espreita da Bestega ao Rossio.

Cantam o Fado na Madragoa,
Velhos gaiteiros regados a vinho
Gritam, dançam, rodopiam o manjerico
Corre o Plebeu, discursa o Erudito,
lança a escada o mafarrico,

3 comentários:

OutrosEncantos disse...

fantástico, Pedro!
os parabéns de sempre!
beijo.

Olívia disse...

Também ficas bem assim, neste registo...
Nas ruas, nos aromas, nas cores e nos pregões de que enches as palavras, em festa, poema abaixo, cheio de gente, da nossa gente.

Um beijo

L.B.

Olívia disse...

Também ficas bem assim, neste registo...
Nas ruas, nos aromas, nas cores e nos pregões de que enches as palavras, em festa, poema abaixo cheio de gente, da nossa gente...

Um beijo