Um fraquinho por ti...

/>

Tenho um fraquinho por ti.
Sempre tive um fraquinho por ti.

Agora que modifiquei a minha estrutura mental, que deixei de pensar em ti, convidas-me para um café.

Pedes-me um conselho… -“ que tal este vestido?...” , - … “ e os novos wonderbra?...”- “que chatice o selo do carro”, - “péssimo este tempo, não?” – “E os teus pais como vão?”…

...e eu… um fraquinho por ti.

Telefonas-me porque não dormes, angustiada, nervosa, corpo amolgado, ... -“que porcaria de dia, o IRS, a multa, a minha Mãe coitada…, o formulário. Filas enormes na CGD, e tu sem tempo”...

Gostas da bica bem cheia em chávena a escaldar, o bife mal-passado e ignoras displicente a sobremesa adocicada, enquanto eu me lambuzo e te sorvo, envergonhado, atento, vidrado.

Falas-me da família, do escritório em que exerces, do teu Pai que te controla e não te dá descanso, o chato, o empedernido namorado que manténs porque te dá jeito, que te adivinha os humores e te descasca a fruta, redonda, bem redonda do tamanho dos seus cem quilos.

Coitada de ti que te apareceu uma alergia e um antigo colega de faculdade que não te larga, mais os pneus carecas e a revisão atrasada, … -“conheces alguma oficina?”...

... E eu que sim… que até moro defronte de uma boa e barata, como boa e barata é esta refeição que aproveitas para pagar sem factura não-vá-o-diabo-tecê-las e o "mastronço" lá de casa pode saber…

... e um fraquinho, um fraquinho por ti.
Enormes as tuas banalidades, imponentes as tuas frivolidades.
Uma nuvem que te envolve como uma mortalha inspirada.

Queres parecer dramática e engraçada, … “- tens carradas de razão, dizes…”
Os teus olhos que já foram meus, o brilho que já foi teu, e a madeixa desarrumada.

Um lanche… quem sabe possamos falar de novo… e eu… um fraquinho por ti… sem saber porquê nem em quê.

Vais a Toronto em serviço, e eu…à beira de te levar a sério… e sai uma mentira pegada, um tiro no porta-aviões, os cinco do euro-milhões, a minha vida aos trambolhões.

Largas frases de livros que não lês, promessas feitas e rarefeitas que sopras na minha boca, como se me excitasses…

… e eu corado até às bochechas, num riso quase fugaz pois já nem calor me faz.

...E eu… um fraquinho por ti?

Ainda me habitam duendes que desarrumam o cérebro, como se fugisse de mim…quando quero mesmo fugir de ti.

Verdade. Já tive um fraquinho por ti.

Agora, sobrevivi.

Comentários

Lídia Borges disse…
Tão real que chega a doer!...

Os "fraquinhos" vão enfraquecendo imersos nas rotinas devastadoras do quotidiano.

"Depois sobrevivi" - O verbo escolhido a trazer à superfície a incompletude que, afinal, é o que resta, o que basta...

Gosto de ler, aqui!

Beijo
Anónimo disse…
Meu Deus que "desarrumação"!
"Um fraquinho por ti" é uma narrativa engraçada... não tão "amorosoa" como aquelas que tem escrito, mas se calahr mais real, face à vida presente.
Parabéns.
paula pimentel disse…
Por vezes é difícil sobreviver a uma paixão a um grande amor. Sentimo-nos destruidos, como se o mundo acabasse, como tudo à nossa volta desabasse. É engraçado como aquela expressão "O tempo cura tudo", aplica-se na perfeição. A dor, o vazio desaparecem e dá lugar a saborosas recordações.
paula pimentel disse…
Adorei.Toca num assunto que todos de uma forma ou de outra, vive ou viveu.A paixão tal como descreve é uma mistura de sentimentos que nos deixa incapazes de raciocinar direito. Quando passa (por vezes com muita dificuldade), deixa em nós agradaveis recordações.

Mensagens populares deste blogue

Deixa ficar assim…

DESEJOS E DEMÓNIOS

EXISTISTE ANTES DE EXISTIR