19 março, 2007





Sei como nasce o dia e termina a noite
Como olhar em ti perscrutando o horizonte.
Sei da ordem das estações do ano e das marés.
Sei do sabor dos morangos, da tua pele e do teu sabor.
Sei da vinda dos Reis Magos e nem sei se ainda acredito no Pai Natal
Sei de cor alguns poemas e apenas algumas datas de aniversário
Sei o caminho para casa, a cor dos olhos dos meus filhos e lembro saudoso o azul brilhante dos do meu Pai
Sei de sonhos e fantasias, de realidades pesadelos e sensações. Sei de ansiedades, pânicos e comportamentos.
Sei de coisas boas de sentir, outras nem falar, nem de ouvir.
Sei de amizades perdidas, outras trocadas por alianças flutuantes onde as pessoas se fabricam à medida dos seus objectivos
Sei de coisas que não vejo mas acredito, como as moléculas, a solidão, a tensão arterial, o pensamento, a distância, e a dor que nos deixa quem parte.
Sei de coisas passadas, umas belas e felizes outras dolorosas e funestas e de outras que serão futuro – para o bem e para o mal.
Por vezes chego mesmo a saber de mim... é raro, mas também acontece.
Nesses raros momentos, quedo-me e tento escutar-me – que bem me sabe.
Sinto escorrer a vertigem dos dias por entre a palma das mãos na certeza da incerteza do que virá ser o amanhã. Sempre esta dúvida persistente de querer saber as madrugadas por vir.
Sei dos dias que regem a existência com acontecimentos que mudam qualquer coisa, íntima e definitivamente.
Rasgo a alma umas vezes, outras arranho-me e atiço-me para desatinar este mar chão.
Outras apenas procuro sarar feridas e dores antigas, algumas jamais conseguidas.
Ditado pela razão e objectividade, procuro subtilmente manter-me diferente mas intacto.
Sei das cores e das estações do ano e das marés e do nascer viver e morrer.
E recorto sombras em cada canto tentando encaixar formas que habito, ou já nem habito…sei lá!
E se me julgo inteligente por isto saber…. Então nada sei!





3 comentários:

Anónimo disse...

Sei que o mais "insignificante" ser humano, tem átomos que já pertenceram a uma estrela......
Sei do aconchego de um sorriso por encontrar um amigo....
Sei que é bom ler os teus posts...

Calamina disse...

pois isto por mais que se saiba, nunca se sabe tudo.
eu sei que gostei deste post.

Moura ao Luar disse...

Beijoooo

ARROZ DOCE

A RROZ DOCE Era uma tasca. Tasca de coletividade nortenha. Povoada por novos e velhos, vizinhos e compadres, maduros e dest...